Redes de cooperação na agricultura familiar de Santa Catarina: acesso aos novos mercados e políticas públicas

A crescente redução da sua participação nas cadeias produtivas tradicionais nas últimas três décadas desafiou a agricultura familiar de Santa Catarina a buscar novas formas de inserção no mercado. A imposição de novos padrões tecnológicos e escalas de produção inviabilizam a permanência de milhares de agricultores familiares nas cadeias de carnes de suínos e de aves, e na produção de grãos como milho, feijão, arroz e soja, dentre outras. É nesse contexto que agricultores e organizações relacionadas à agricultura familiar têm buscado atividades, mercados, formas de organização e arranjos institucionais mais adequados às suas condições sociais, econômicas e políticas. Nesse processo houve a criação/ampliação das redes de cooperação, organizadas na forma de associações, condomínios e, mais recentemente, em cooperativas por produto e cooperativas descentralizadas. As políticas públicas que mais têm contribuído para estruturação dessas redes e inserção nos mercados são o SC Rural, o PAA e o PNAE. A partir de um levantamento realizado pela Epagri em Santa Catarina no ano de 2017, esse trabalho visa apresentar um panorama das redes de cooperação na agricultura familiar e a relação dessas redes com as políticas públicas de apoio e de acesso aos novos mercados. Artigo na integra

Autores
Luiz Carlos Mior
Dilvan Luiz Ferrari
Janice Maria Waintuch Reiter
Marcia Mondardo
Jurandi Gugel
Marcelo Sá
Antonio Marcos Feliciano
Tabajara Marcondes

Fechar Menu